Voltar ao Topo

Arquitetura Balinesa Oriental

O homem, a arquitetura, o Universo e tudo em Bali podem ser divididos em três partes, é o conceito do Tri Angga Balinês o qual diz que tudo no mundo natural pode ser dividido em três partes, as coisas que estão no alto são chamadas de Utama como as montanhas e tudo que lá estão, a espiritualidade, seus ancestrais, tudo que é puro e sagrado e o céu. Nista por outro lado denota o inverso, tudo que está abaixo como o mar, sua energia, o impuro e tudo o que incomoda o conforto de suas mentes e espíritos. No meio está o homem na chamada Madya o mundo mundano da existência do dia a dia, um tipo de sertão cosmológico que vai da orla marítima aos pés das montanhas. O corpo humano também pode ser dividido em cabeça, tronco e pernas assim como tudo criado por ele mesmo. Até a mais simples estrutura construída pode ser dividida em três, um base, paredes ou colunas e o telhado.

A arquitetura Balinesa somente é erguida com orientações cosmológicas precisas, sob a metafisica do Universo em multiplos de três como sua parte integrante onde influência cada aspecto da vida dos futuros moradores, cada parte participa da existência da outra parte no projeto, onde o microcosmo é percebido refletindo o macrocosmo. A orientação correta no espaço combinada com ideias antagônicas de pureza e exageros são chaves para harmonizar a presença do ser humano com o resto do Universo dentro da arquitetura de interiores e exteriores. Para o Balinês tudo tem seu correto lugar no mundo, o compasso Balinês ou rosa dos ventos é chamada de nawa-sanga, além dos 8 pontos cardinais, cada direção é ligada a uma área da vida em particular, sempre com as coisas boas no alto, as montanhas são partes sagradas da ilha, como o monte Agung , as más embaixo e o homem no meio, para que tudo esteja bem é importante manter boas relações, por este motivo a arquitetura Oriental Balinesa é mediada por várias orientações espaciais que influenciam em muitos aspectos da vida. 

Uma Questão de Proporção, a principal unidade de medida da arquitetura em Bali é a depa que consiste na distância entre os dois dedos indicadores com os braços do futuro proprietário abertos horizontalmente, hasta é a medida do comprimento do braço medido da ponta do dedo indicador ao cotovelo, musti é a largura da mão fechada com o polegar levantado, as dimensões e proporções da residência são cuidadosamente determinadas de acordo com o status a que pertence o dono do imóvel a ser construído, importando mais as proporções do que o tamanho em si. Por exemplo, somente um Raja (status superior) pode construir prédios quadrados próximos no terreno onde a diferença da distância entre os dois é menor do que a medida da construção principal, um comerciante também pode construir prédios quadrados próximos, porém a distância entre eles não pode ser menor do que a medida do prédio principal, regulamentações como estas sobrecaem sobre todas as classes sociais e construções em toda a ilha de Bali na Indonésia.